Jornal O PODER

Seja bem-vindo ao Jornal O PODER

Política e Mercado

Notícias

13 de mai | Equipe O Poder

UPA de Cajazeiras - João autoriza atendimento pediátrico

O governador João Azevêdo (PSB) autorizou que a UPA do município de Cajazeiras realize o atendimento pediátrico, que ficou prejudicado no município após o fechamento da Urgência pelo Hospital Universitário.

SOLUÇÃO

A solução foi apresentada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES), durante reunião com o Conselho Regional de Medicina (CRM), Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) e Hospital Universitário Júlio Bandeira.
“Mais uma vez, buscamos o caminho da parceria com os municípios para garantir atendimento adequado. Principalmente porque a saúde das nossas crianças é prioridade!”, ressaltou o governador.

REORGANIZAÇÃO DA REDE

De acordo com a secretária de Estado da Saúde, Renata Nóbrega, entre as soluções viabilizadas está a reorganização da rede. Ela reforça a importância do papel da Atenção Básica (AB) e espera que o serviço do município consiga assumir atendimentos que são do perfil da atenção primária.
“Estamos trabalhando com a Secretaria Municipal de Saúde, Prefeitura de Cajazeiras, os secretários de saúde da região e também a superintendência e a reitoria da UFCG sobre a temática. Uma das soluções é realizar um trabalho articulado com a UPA de Cajazeiras, que é de gestão estadual, para ficar com parte desses atendimentos que necessitam de uma avaliação de urgência”, explica.

DIVISÕES

A Secretaria Municipal de Saúde de Cajazeiras vai garantir o atendimento para crianças também nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) para os casos mais leves. A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) administrada pelo Estado atenderá os casos que precisem de suporte hospitalar emergencial e as ocorrências que demandem internação continuarão sendo regulados para o Hospital Universitário, onde existe previsão de ampliação de leitos.

MONITORAMENTO

O secretário executivo de Saúde, Jhony Bezerra, reforçou a importância do monitoramento de leitos para não deixar a população da região desassistida.
“É importante que possamos monitorar a ocupação desses leitos, uma vez que o HU não está atendendo pacientes pediátricos na porta de urgência”, completa.