Jornal O PODER

Seja bem-vindo ao Jornal O PODER

Poltica e Mercado

Notcias

26 de out | Josemir Camilo

26/10/1821 - O DIA EM QUE PERNAMBUCO CONHECEU A DEMOCRACIA - Josemir Camilo*

Pernambuco encontrou os caminhos da democracia, palavra at ento maldita, porque lanada em 1817 pelos republicanos. Para os conservadores e repressores tinha sentido de anarquia, algo no sentido de cada um agora seu prprio rei, aonde vamos parar etc. Tambm democracia, dadas as convenincias do regime de ento (at hoje, somos obrigados a ir votar e democracia!).

ELEIAO PERNAMBUCANA

Dava-se, na catedral de Olinda, a ento capital pernambucana a eleio de uma Junta de pernambucanos, at com patrcios lusitanos que optaram pela constitucionalidade.
Naquele mesmo ms, Pernambuco tinha assistido a uma srie de rodadas democrticas, se assim podemos chamar, que foi a Conveno de Beberibe, de 5 a 9 de outubro. Trs grupos, sendo dois beligerantes e uma delegao pacificadora paraibana, se sentaram mesa, dia a dia, com rodadas de cartas de inteno. Fim das rodadas, o general Luiz do Rego Barreto reconheceu que havia perdido o combate poltico e a guerra civil, e ficou apenas no poder aguardando ordens da Assembleia Constituinte portuguesa para regressar com tropa a Portugal.

PRIMEIFA ELEIO

Enquanto isto, os pernambucanos se preparavam para assistir a primeira eleio para uma junta de fato de patriotas. Pelo menos quatro deles vieram de 1817, principalmente o que se tornou presidente, Gervsio Pires Ferreira.
Engana-se quem pensa que foi Luiz do Rego que indicou Beberibe para o Tratado de Paz na provncia e quem deu as diretrizes para as rodadas de negociao. Desde a campanha blica do Governo de Goiana, acampado no engenho Fragoso, em 23 de setembro de 1821, que as clusulas da intimao a Luiz do Rego j estavam dadas.

QUEM DEU AS ORDENS

Ali, o Governo de Goiana oficiou s cmaras das vilas que tinham aderido ao governo liberal que seria instalado o Governo Provisrio Constitucional na capital da Provncia, Olinda. Este seria eleito por trs representantes de cada Cmara e seria embarcado o General da Diviso de Pernambuco, Luiz do Rego (Vossa Excelncia embarcar no prazo de quarenta e oito horas) e o batalho do Exrcito de Portugal, para se consolidar a paz. Olinda ser comandada pelas tropas liberais at que se complete a eleio e depois do juramento cessar imediatamente a existncia deste Governo (de Goiana). A tropa liberal acompanhar o Governo instalado.

MANOBRAS PARA PROTELAR

O Governo de Goiana solicitara, antes, Cmara da nica cidade pernambucana, Olinda que, para efeito de se instalar o Governo eleito, mandasse ao quartel das tropas liberais trs pessoas como fiana para o cumprimento dessas deliberaes, que eram o desembargador Antero Jos de Maia, o Coronel Bento Jos da Costa e o vereador mais velho da Cidade de Olinda, Joo Xavier Carneiro da Cunha. Tudo isto em 23 de setembro.
Depois da Conveno, chegaram as ordens de Lisboa para a eleio que atrasou devido s tropas de Luiz do Rego estarem controlando Olinda e prendendo suspeitos de liberalismo. At que enfim a data foi o dia 26 de outubro para eleger-se o Governo Provincial na conformidade do Governo da Monarquia.

COMO FOI

Dispostas assim todas as medidas, reuniram-se na Catedral de Olinda todos os representantes das Cmaras da Provncia e elegeram o Governo Constitucional Provisrio, saindo presidente Gervsio Pires Ferreira. Os demais membros foram: Bento Jos da Costa, Antonio Jos Victoriano Borges da Fonseca e Felipe Nery (estes, de 1817) e mais Manoel Incio de Carvalho, Joaquim Jos de Miranda, Laurentino Antnio Moreira de Carvalho, este como secretrio. No dia seguinte, chegou a Olinda o Governo Temporrio de Goiana, acompanhado de toda a tropa da praa e, na Catedral, deu a posse ao Governo eleito. A Junta de Gervsio Pires no era, de todo, composta de civis; havia um militar e um padre, e at um portugus, Bento Jos da Costa, todos da elite do Recife.

E COMO ACABOU

A Junta de Gervsio Pires Ferreira deu nova dinmica nas obras, na educao e na justia da provncia, at meados de 1822, quando foi derrubada por emissrios da Corte do Rio, o que j sinalizava os caminhos da Independncia. Comeara reformas como a do prdio da alfndega, fiscalizao das obras de canalizao do Beberibe, conserto da ponte do Recife destruda no cerco. At esse momento, o lder da campanha de Goiana, Felippe Menna parecia estar ao lado de Gervsio Pires Ferreira, bem como Frei Caneca. Sua queda est ligada no s a interesses internos, como, tambm, a Gervsio Pires no ter compreendido o momento da poltica de Jos Bonifcio e do Prncipe Regente.

* Historiador