banner
Jornal O PODER

Seja bem-vindo ao Jornal O PODER

Poltica e Mercado

Notcias

14 de set | Hylda Cavalcanti

COMISSO NA RETA FINAL - EM BUSCA DO CRIME

Depois de ter faltado a convocaes anteriores, o advogado e empresrio Marcos Tolentino compareceu hoje CPI da Covid. Ele apontado como scio oculto da FIB Bank, empresa que deu uma garantia de R$ 80,7 milhes para a Precisa Medicamentos na negociao para contrato de aquisio da vacina Covaxin com o Governo que terminou no sendo firmado depois de denncias de irregularidades. Tolentino disse que no tem relao com a FIB Bank, no participou das negociaes sobre a Covaxin e que no existe qualquer ato que possa lig-lo aos objetos de investigao da comisso.

QUEM O DONO
Blindado por um habeas corpus do STF que lhe garantiu o direito de ficar em silncio caso achasse que poderia produzir provas contra si, o advogado calou-se quando foi perguntado sobre quem o verdadeiro dono da empresa. Ele tambm se recusou a responder a outras perguntas do colegiado, embora tenha prestado depoimento.

ATIVIDADES EM COMUM
Argumentou que foi no passado scio de Ederson Benetti, j falecido, e prestou servios advocatcios para o filho dele, Ricardo Benetti, e para as empresas que administra. Uma delas, a Pico do Juazeiro, acionista da FIB Bank motivo pelo qual seu nome apareceu. Disse ainda que j est desligado h 12 anos da empresa que era acionista da FIB Bank. Mesmo assim, deu a garantia para o negcio da Covaxin porque dessa empresa com a qual mantive sociedade l atrs, derivaram muitos negcios e ainda mantenho atividades em comuns com o grupo.

PROXIMIDADES
Citado por muitos depoentes como pessoa prxima do lder do governo na Cmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), inclusive por ter acompanhado a ida de Barros CPI, ele afirmou que conhece o parlamentar de muitos anos, mas mantm com ele uma relao respeitosa. Sobre o presidente Jair Bolsonaro, afirmou que o conhece e aos filhos Flvio e Eduardo, mas no possui vnculos de amizade com nenhum dos trs.
Ressaltou, tambm, que no participou do jantar entre representantes da Precisa Medicamentos e do Ministrio da Sade, onde teria sido feito um pedido de propina de US$ 1 por vacina.

SEM CONDUO
A CPI recebeu, ontem, autorizao judicial para requerer a conduo coercitiva dos depoentes desta semana caso se recusassem a comparecer, mas desta vez, no foi necessrio uso desta prerrogativa.